Bem-vindo à Indústria 4.0

Como o consumo gera insights para evolução à Indústria 4.0

Uma mesa com notebook e tablet e um usuário navegando no tablet

O desejo, hábitos e a interação entre consumidores e fabricantes mudou. Você já está adaptado a essa nova realidade?

A Indústria 4.0 segue revolucionando o desenho da manufatura em todo o planeta com o uso de tecnologias e conceitos disruptivos. Um dos seus mais recentes avanços é a customização em massa de produtos, que altera o modo produtivo e promete transformar a relação entre consumidor e produto.

Em plena era da customização da indústria, as tecnologias possibilitam ao consumidor ser integrado à cadeia de produção de qualquer item que pretenda personalizar. De acordo com analistas do setor, se antes era a indústria quem definia o que chegava até o consumidor, agora é este protagonista quem passa a ditar os rumos da manufatura, munidos da personalização.

A fabricante de computadores Dell vem intensificando a estratégia de personalização dos seus produtos desde 2015. O consumidor customiza online sua máquina, com a configuração desejada (número e tipos de módulos de memória, tamanho do disco rígido, tipo de monitor etc.) com base em um menu disponível no site da empresa.

No ano passado, a Adidas lançou o tênis de modelo Adidas Made For London (o AM4LDN) para maratonistas londrinos, assim deu um salto na estratégia de proximidade do consumidor, já iniciada em 2015 com o ingresso na customização em massa. Esse produto, criado em colaboração com os insights desses corredores-alvo, é um dos frutos da sua fábrica inteligente, a Speedfactory, na Alemanha, de alta velocidade de produção e tecnologia.

Foto aérea de corrida de rua com dezenas de participantes

Assim, tênis, computadores, automóveis e outros produtos estão sendo personalizados e encantando o novo consumidor, hiperconectado e ciente do seu poder de influência. É mais um ingrediente nesse perfil da nova economia, que mobiliza a indústria a se preparar cada vez mais para essa nova abordagem e a se manter no cenário competitivo.

No caso da indústria de alimentos e bebidas, por exemplo, tecnologias possibilitam ao consumidor saber a origem de cada matéria-prima contida no produto, e ainda ter a opção de customizá-lo pela internet, acompanhar as condições de transporte e armazenagem. Uma forma de conquistar sua confiança e de estar mais próximo.

Por que se adaptar

Com o avanço do uso de tecnologias emergentes como Internet das Coisas (IoT, na sigla em inglês) no chão de fábrica, máquinas envolvidas no processo de produção e sistemas de gestão ‘conversando’ todo o tempo, desde a realização do pedido, customizações até a finalização do produto, a indústria tornou-se altamente flexível. É obrigatória essa adaptação para garantir competitividade.

Nessa mudança de paradigmas, também impera a valorização da experiência do usuário em relação ao que ele adquire. Já foi o tempo em que o nome da marca na etiqueta era o que mais importava. Hoje, uma experiência de compra ruim leva o cliente a buscar o concorrente. Nessa arena, portanto, vence que tem em mãos seu perfil detalhado, para surpreendê-lo, conquistá-lo e fidelizá-lo, criando laços com o brand.

Essa proximidade com a marca é fundamental para ambos os lados. A possibilidade de, por meio da internet, a qualquer hora ou lugar, escolher cor, tamanho, modelos, acessórios, entre outras customizações, gera intimidade, cumplicidade – grandes trunfos da fidelização do consumidor.

Foto aérea de consumidores fazendo compras em shopping

Em contrapartida, a indústria passa a conhecê-lo melhor, traçar estratégias apoiadas em suas preferências, retirando alguns itens das prateleiras e ampliando a produção de outros, por exemplo.

A dica é interagir com o consumidor e isso somente acontece de forma plena, sabendo usar a tecnologia. Em um mundo hiperconectado e móvel, essa interação deve acontecer em variadas frentes, em um modelo integrado de omnichannel.

Isso porque ele quer ter voz e deseja ser ouvido, seja por qual canal escolhido. E essa interação não pode ficar somente nas mãos do varejo, como acontece tradicionalmente. A indústria precisa aprimorar o conhecimento sobre o consumidor e estar presente onde ele está – sites e perfis em redes sociais como Instagram, Twitter e Facebook. Ouvi-lo é um passo importante na jornada de aproximação e para avaliação do posicionamento da marca no varejo.

Inevitavelmente, ações personalizadas aproximam o consumidor da marca e torna a sua experiência alinhada aos seus anseios e desejos individuais. Fuja de estratégias generalizadas. A nova era impõe proximidade e customização.

Como obter insights dos seus clientes

Para obter insights dos clientes, é preciso conhecer o seu comportamento, buscando o que, de fato, o motiva. Vá além da sua rotina de consumo para interpretar o porquê do seu comportamento. Essas informações não aparentes e muitas vezes intangíveis, quando descobertas, apimentam estratégias e as tornam mais assertivas para aproximar marca e consumidor.

Estudos mostram que os insights mais poderosos são os que se referem aos sentimentos do consumidor como valores e necessidades. Essas descobertas têm origem em especial nas redes sociais, interações em chatbots, call centers, entre outros pontos de contato com o cliente. Dessa forma, é possível criar uma linha de produção que resultará em um produto altamente customizado, sob medida para satisfazer os desejos do consumidor.

Usuário naveganco no celular, fazendo login no Twitter

A integração dos canais de contato com o cliente, no modelo omnichannel, é a chave para que as informações captadas (insights) sejam centralizadas e facilite separar o joio do trigo e assim desenhar um perfil detalhado, que possibilitará uma conexão eficiente com ele.

Fato é que a revolução tecnológica é irrefreável e inevitável nessa jornada de aproximação. Muda a indústria, muda o consumidor, e não necessariamente nessa ordem, porque tudo dependerá da estratégia, do nível de maturidade da indústria, das tecnologias empregadas e da forma inovadora que esse combo é estruturado e implementado.

A revolução tecnológica é inevitável, e o UOL DIVEO pode ajudá-lo a promover uma revolução na forma como seu consumidor interage com sua marca e produto.

Faça parte dessa revolução